segunda-feira, 22 de agosto de 2011

Domingo em família sem gastar um 'tusto' I



Oiço vezes sem conta amigos, conhecidos, desconhecidos, vizinhos e familiares dizerem que não podem ter mais filhos porque não têm dinheiro para isso, ao mesmo tempo que olham assim meio de esguelha para mim e para os meus três amores. Pois que é verdade que as crianças trazem agarradas a si muitas despesas incontornáveis, como as fraldas ou o leite em pó, mas a verdade é que os segundos e terceiros filhos são sempre mais económicos que os primeiros, porque a grande maioria das coisas fica de uns para os outros: camas, carrinhos, esterilizador de biberões... A meu ver, a grande questão está na falta de disponibilidade que alguns de nós temos para estar com os filhos, por excesso de carga horária laboral, talvez. Outra vezes, vejo que há uma grande indisponibilidade mental para estar com os pequenos, excesso de stress, se calhar. Enfim, o que eu acho é que as crianças são mesmo o melhor do mundo e que, ao contrário do que muitos apregoam é possível ter mais do que um filho. Possível e necessário. É por isso que inicio aqui esta rubrica "Domingo em família sem gastar um tusto", porque há muito mais para oferecer às crianças que o último brinquedo da moda. Se os levarmos aos centros comerciais é natural que façam birra para trazer isto, aquilo e o outro. Mas e se ficarmos em casa e dedicarmos a eles, parte da manhã ou da tarde em exclusivo? Este domingo, não esteve bom para a praia, ao contrário do que é suposto em Agosto. Pegámos em folhas de papel, já escritas de um lado e que em muitas casas seguem o caminho do papelão, mas que por aqui são reutilizáveis, nas aguarelas e no pincel e demos asas à imaginação. Houve folhas que ficaram todas esborratadas, mas outras são verdadeiros quadros. Ela esteve ali horas esquecidas. Não fez birras. Foi evoluindo nas ideias a desenhar no papel. Estava feliz. Quem não tiver aguarelas em casa, tem lápis de cor, canetas de feltro, lápis de cera. Quem não tiver nada, tem tesouras e revistas velhas que se podem recortar para fazer colagens. O importante é motivar a imaginação e provocar-lhes sorrisos. E isso, não custa nada!

2 comentários:

Sof Enes disse...

Pois é, amiga... se não falarmos em infantários, tens toda a razão. Beijinhos

Ana Raquel Oliveira disse...

Mas, eu disse que há custos inevitáveis. Mas, que também há egoismo, lá isso lá...