quinta-feira, 12 de janeiro de 2017

Livro do fim-de-semana #40


Não há história que não meta as palavras puns, rabo, chichi ou cocó que que não tenha passaporte garantido para as gargalhadas dos miúdos. É êxito garantido, já se sabe. Eu própria também não resisti a este livro assim que o encontrei por acaso numa das minhas muitas idas a livrarias. "Até as Princesas dão Puns" foi um presente de Natal para a miúda mais nova cá de casa e claro que fez sucesso na noite de Natal, com todos a repetirem o título vezes sem conta, entre risinhos tontos, e a quererem folhear as páginas cheias de ilustrações bem giras. A história é engraçada e acaba por desconstruir os grandes clássicos que todos conhecemos. Ficamos a saber que a Cinderela deu um pum em pleno baile e que a própria Branca de Neve também teve grandes dores de barriga por causa da comida apetitosa cozinhada pelos anões. Afinal, parece que todas, mas mesmo todas as princesas dão puns e nas alturas mais impróprias por vezes. A história é de Ilan Brenman que tem outros títulos que tenho debaixo de olho.
Já conheciam?
Nós já o lemos num deste fins-de-semana e deixo aqui a sugestão para este fim-de-semana que já está mesmo a chegar!

segunda-feira, 9 de janeiro de 2017

Lema de vida

Com um olhar.
Com um sorriso.
Um prato especial.
Um jantar inesperado de tabuleiro no colo.
Desligar o telemóvel.
Com uma ida ao parque.
Com um beijo. Um abraço. A mão dada.
Um bolo acabado de fazer no forno.
Um telefonema.
Uma mensagem inesperada.
Um presente.
Um passeio de bicicleta.
Um sessão de cinema.
Um chá quente.
Ao sentar no chão a brincar.
Fazer um desenho. Pendurá-lo na parede.
Fazer um jogo.
Parar. Estar. Sem pressas.

Todos os dias são bons dias para sermos mais felizes e para fazermos os outros mais felizes. Se todos fizermos uma coisa, uma única coisa para gerar um sorriso nos outros, tudo vale a pena. E a maior parte das vezes, essas pequenas coisas não custam nada. Só basta querer.

Já fizeram alguém feliz hoje?




quarta-feira, 4 de janeiro de 2017

terça-feira, 3 de janeiro de 2017

segunda-feira, 2 de janeiro de 2017

Vila Viçosa, Elvas e Estremoz: foi por aqui que fechámos 2016




Tal como fizemos no ano passado, também este ano fugimos para o Alentejo logo depois do Natal para uns dias de pausa. Se há férias das quais não quero abdicar é das férias do Natal: sabe tão bem parar para respirar e viver intensamente esta época. Para contrastar com o stress anterior aos dias de Natal, com compras para fazer e tudo para tratar, rumar ao Alentejo significa não fazer nada, apenas usufruir do tempo e este ano o São Pedro foi especialmente generoso.
Quando me perguntavam o que queria de presente este ano, repetia sempre, embora em tom de brincadeira, mas a falar muito a sério, que apenas queria tempo. A vida é demasiado veloz, frenética e sem hipótese de respirar fundo muitas vezes. Ter tempo para descansar é um luxo e respirar o ar do Alentejo nesta altura do ano, um luxo maior.
A Herdade da Ribeira de Borba foi o nosso quartel general durante uns dias imensos e Vila Viçosa, Elvas e Estremoz foram os pontos chave deste passeio. Incrível como parece que o tempo estica nas férias. Os miúdos deixaram-se maravilhar pelo campo, pelas vacas, cavalos e burros. Eu, se pudesse, tinha trazido toda a casa, cheia de pormenores de bom gosto.
Houve tempo para apanhar laranjas, alimentar a vaca Alice (assim batizada pelos donos da Quinta), andar de bicicleta, jogar muito ao Monopólio. Houve tempo para ser turista dentro do nosso país, subir às torres dos castelos, conhecer o Palácio Real de Vila Viçosa, tirar fotografias e saborear a comida maravilhosa que o Alentejo tem. Houve tempo para estar, escutar e ver.
Ficam pequenas fotos daqueles que foram os últimos dias de 2016, mesmo antes de regressarmos a casa para a nossa passagem de ano junto ao mar!




Chá verde vai bem com…


Hortelã...
Sumo de limão...

Gengibre ralado...

Tudo isto junto. Tudo em separado!

Não é uma resolução de ano novo, mas um hábito que insisti por enraizar assim que iniciou Dezembro e começaram os abusos dos jantares de Natal. Se vocês também gostam de chá, mas não eram nada amigos de chá verde, então este post é para vocês.

Todos os dias bebo duas canecas de chá verde.  Sim, eu que odiava chá verde, agora bebo todos os dias, duas vezes por dia e sem qualquer sacrifício e porquê? Porque misturo hortelã ou sumo de limão e gengibre. Foi a descoberta milagrosa deste Inverno!

Aos e anos a ouvir dizer que o chá verde era bom para limpar o organismo, que fazia bem a isto e aquilo e a outro tanto. Nunca consegui beber, mas este ano vai que por acaso encontrei um chá verde Detox com folhas de hortelã e tornou-se no meu melhor amigo.

Agora vou intervalando: uns dias bebo infusões já prontas, com a tal hortelã, ou com laranja e gengibre, outros dias acrescento eu sumo de limão ao chá verde simples e raspo um pouco de gengibre. Fica maravilhoso.

Janeiro começa com muita chuva e frio e por isso e enquanto vou bebendo a caneca que tenho na minha mesa de trabalho, partilho convosco esta receita simples para aquecer!

4 raminhos de hortelã fresca;

1 colher de sopa de sumo de limão;

1 saquinho de chá verde;

E água quente pois claro!

Amanhã substituam a hortelã pelo gengibre ralado e vão variando!

Entretanto e só aqui para nós, aqui ficam os benefícios do chá verde:

o    Inibe a atuação de bactérias e vírus

o    Neutraliza os efeitos negativos dos óleos e gorduras de má qualidade no corpo

o    Melhora a digestão

o    Protege contra a oxidação (envelhecimento) do cérebro e fígado

o    Reduz a degeneração das células cerebrais

o    Reduz os níveis de triglicérides e colesterol sanguíneo

o    Reduz a pressão arterial

o    Reduz o risco de câncer de mama, câncer de próstata e câncer de cólon

o    Protege contra diabetes tipo 2

o    Reduz o risco de ataque cardíaco

o    Prevenção do Mal de Alzheimer

o    Atua como protetor solar, evitando câncer de pele

 Se calhar já iam bebendo, não?!

domingo, 1 de janeiro de 2017

Olá 2017

Gosto da primeira página e das folhas em branco.
Gosto de fazer planos e desenhar projetos em listas várias.
Gosto de pensar que podemos fazer mais (por nós e pelos outros) e melhor (por todos).
Gosto de começos e da gratidão que sinto sempre em cada virar de ciclo.
Gosto do número 17 e gosto de pensar de que podemos todos fazer deste ano um ano bom. Verdadeiramente bom.
Que este ano nos traga muitos sorrisos e brilho no olhar.


E sim, que 2017 me permita passar por aqui muitas mais vezes. Faz-me sempre bem andar por aqui.
Feliz Ano Novo!